Pular para o conteúdo Vá para o rodapé

Aumenta a insegurança nas agências do Itaú

Historicamente, o banco Itaú sempre se destacou por possuir o menor número de ocorrências criminais em suas agências. Desde fraudes a assaltos, passando por golpes, explosões de caixas eletrônicos e até mesmo sequestros, o Itaú mantinha um histórico positivo em termos de segurança. Entretanto, recentemente, essa imagem tem sido abalada pela crescente onda de crimes em suas agências, em contraste com a postura de segurança que adota em suas instalações administrativas, como relata Carlos Damarindo, funcionário do banco e secretário de Cultura da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro).

Damarindo afirma que as preocupantes mudanças na política de segurança do banco, mostra a necessidade urgente de proteger os bancários e clientes. “No cenário de violência urbana cada vez mais intenso, o medo permeia as agências bancárias. O banco Itaú, em uma decisão questionável, decidiu modificar seu plano de segurança, retirando vigilantes e portas giratórias de algumas de suas agências. Essa mudança, aparentemente motivada por razões econômicas, tem colocado em risco a segurança das pessoas que frequentam esses espaços. Isso contrasta fortemente com a segurança mantida nos prédios administrativos, onde a presença de vigilantes e câmeras é notável”.

Damarindo explica que, apesar de algumas agências não guardarem numerário ou cofres, os caixas eletrônicos, em si, funcionam como cofres e armazenam dinheiro. Segundo ele, isso os torna alvos em potencial para a criminalidade. “Relatos de furtos de pertences, agressões e assédio, perpetrados por clientes, revelam uma vulnerabilidade significativa que precisa ser abordada. Muitos clientes, frustrados por dificuldades nos canais digitais, acabam direcionando sua raiva para os bancários. Além disso, algumas bancárias também têm sido alvo de assédio”.

O secretário da Contraf-CUT destaca ainda que a recente série de assaltos a agências bancárias, casos de extorsão mediante sequestro e “saidinhas” de banco em várias partes do país não pode ser ignorada. “Somente no estado de São Paulo foram registrados cerca de 10 casos de violência, com um dos incidentes mais graves ocorridos na Zona Leste, onde bancários foram mantidos como reféns. O aumento constante dessas ocorrências em todo o Brasil reforça a urgência de investir na proteção das pessoas”.

Para Carlos Damarindo, a segurança nas agências bancárias é fundamental não apenas para a proteção dos trabalhadores e clientes, mas também para a preservação da confiança na instituição financeira. “O banco Itaú, outrora admirado por sua abordagem segura, enfrenta agora uma realidade que exige uma reavaliação de suas políticas de segurança. Afinal, não se trata de uma opção, mas de um compromisso inalienável. Esperar por uma tragédia maior seria negligenciar a responsabilidade de proteger a vida e o bem-estar daqueles que frequentam as agências. O momento de agir é agora, antes que as consequências se tornem irreparáveis”.

Fonte: Contraf-CUT

Deixe um comentário

0/100

the Kick-ass Multipurpose WordPress Theme

© 2024 Kicker. All Rights Reserved.

Sign Up to Our Newsletter

Be the first to know the latest updates

[yikes-mailchimp form="1"]