Governo promove demissões e desmonte na Casa da Moeda

Governo promove demissões e desmonte na Casa da Moeda
sexta-feira, 13/04/2018

A CMB (Casa da Moeda do Brasil) demitiu 212 funcionários por telegrama no início de abril, reduzindo seu quadro para cerca de 2.100 trabalhadores. O Sindicato Nacional dos Moedeiros denuncia que as dispensas foram discriminatórias e desrespeitosas porque vários não receberam o comunicado pelos Correios e compareceram ao trabalho normalmente. 

Além disso, os representantes da categoria relatam o descaso do governo Michel Temer (MDB) com a empresa, que vem enfrentando sucessivos ataques. Entre eles está a retirada de recursos que eram obtidos via sistemas Sicobe (bebidas) e Scorpius (selos de cigarros), utilizados para rastreamento e controle dos produtos.

A arrecadação também despencou porque o governo decidiu que vai comprar moedas de empresas estrangeiras, o que já havia feito emergencialmente com notas de R$ 2,00 em 2016. 

“Acaba de ser aberta uma licitação para compra de moedas produzidas por empresas estrangeiras. Num momento em que a Casa da Moeda tem plena capacidade de produção, tanto técnica quanto profissionalmente, o governo abre mão dessa riqueza e patrimônio”, alerta Roni da Silva Oliveira, vice-presidente do Sindicato.

Dessa forma, o governo do golpe prioriza o envio de dividendos ao exterior, precarizando o serviço e o emprego no Brasil. A pré-qualificação para licitação de moedas já foi publicada no Diário Oficial da União; ou seja, está em curso e deve atingir diretamente a principal atividade realizada pela empresa, que é da impressão de cédulas e moedas brasileiras.

O presidente do Sindicato Nacional dos Moedeiros, Aluízio Junior, lembra ainda o efeito da DRU (Desvinculação de Receitas da União) em 2016, quando a Casa da Moeda foi impactada em mais de R$ 500 milhões.

Reação

Segundo a direção da empresa, a demissão recém-anunciada foi adotada para “redução de custos e sustentabilidade empresarial”, gerando economia de mais de R$ 50 milhões por ano. No entanto, alerta o Sindicato, é o próprio governo que vem sucateando a empresa, ao provocar tantas perdas financeiras e piorar os serviços com redução de mão de obra.

A entidade vai tentar reverter na Justiça o Plano de Desligamento que motivou os cortes, para reintegrar os trabalhadores. Os demitidos são funcionários aposentados ou que já podem se aposentar pelo INSS. “A decisão configura preconceito geracional”, aponta o presidente da entidade.

Fonte: Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas

COMPARTILHE